Blog

A Era da Eletroterapia

Publicado em 30 de setembro de 2015

Por Rafael Ferreira

A Era da Eletroterapia.

O avanço das novas tecnologias e entendimento mais aprofundado dos mecanismos fisiológicos permitiram o desenvolvimento de equipamentos com resultados de alta performance, em alguns casos conseguem substituir a intervenção cirúrgica.

Estes equipamentos de alta complexidade, ou os métodos adotados por eles estão estampados na vitrine das clínicas de estética de todo o Brasil, a febre dos tratamentos de lipocavitação, rádio freqüência, criolipólise dentre outros.

A cada nova feira muitas novidades são injetadas neste mercado e os profissionais da estética repassam este marketing para seus pacientes, mas vamos parar para fazer uma crítica mais profunda do grave erro que está sendo cometido.

Primeiramente o marketing das indústrias está certo elas tem que vender a tecnologia para o profissional, a falha está neste profissional em repassar isso diretamente para o cliente, por exemplo, você afirma que vai vender uma sessão de CrioRedux, ou algumas sessões de Hooke ou Manthus.

O paciente despreparado começa acreditar que este é o tratamento e procura por eles nas clínicas, e o profissional para fechar a indicação de erro contrata o pacote de tratamentos da tecnologia.

Vamos dessecar este erro e mostrar o porquê o mercado da estética acaba tão desacreditado quando pensamos na eficácia dos resultados.

Primeiramente o paciente não decide qual o procedimento que quer fazer, ele deve chegar com uma queixa e frente esta queixa monta-se um perfil de atendimento, por exemplo, ele quer reduzir medidas, o papel do profissional e vender um tratamento de redução de medidas e não de equipamentos propriamente dito.

O profissional utilizará de todos os recursos disponíveis para promover o melhor resultado frente à avaliação, pois não é todo paciente que pode fazer criolipólise, rádio freqüência, laserlipólise, mas ainda assim pode existe uma opção para ele e deve ser o profissional quem decide isso.

As novas tecnologias nos encantam em toda a feira, isso tem uma justificativa emocional, o ser humano tem liberações dapaminérgicas quando vivência o novo, isso gera uma sensação de bem estar, por isso celular são lançados continuamente, sem grandes alterações da versão anterior, mas ainda assim são cobiçados.

Mas vale um ponto de reflexão, é obvio que a tecnologia evolui, mas e o nosso organismo evoluiu? O que funcionava e dava excelentes resultados ontem parou de funcionar hoje? Vocês já solicitaram um estudo comparativo que demonstre que a nova tecnologia apresentada tenha eficácia estatísticamente comprovada superiores às utilizadas até o momento?

O senso crítico parte de profissionais capacitados, sem base de informação não consegue-se fazer um juízo de medidas para filtrar o funcional da ilusão, e nossa idéia não é vender ilusões mas sim resultados.

E aí como você está fazendo o seu atendimento, na proposta de tratamento de resultados ou apenas sendo impulsionado pela pressão do mercado?